quarta-feira, 11 de junho de 2008

LAYLA E MAJNUN [1]



Desde que te perdi, não sou mais a mesma. Tu te foste, e tudo escureceu ao meu redor. Para mim, não há mais dia ou noite. Tanto faz se o sol brilha lá fora ou se desaba uma tempestade. Nada vejo.
Lembra-te de como éramos felizes? Muitas vezes ficávamos em silêncio, estudando o vôo dos pássaros ou observando os campos floridos ao nosso redor; brincando com os pequenos animais que passeavam sob o sol, o mesmo sol que te acariciava e te enchia de graça e beleza.
Minha vida sem ti, não é vida. Perdi-me de mim, pois só conseguia reencontrar-me diante de ti. Minha paz repousava em teus olhos; em teus meigos e amados olhos; tão castanhos... Neles, somente neles, é que eu podia contemplar a razão da verdadeira existência, pois vendo a ti via também a mim.
Dói-me saber que não posso mais de ti me aproximar. O amor ainda me queima; sou como uma vela cuja chama teima em não se apagar... Procuro acalmar esta dor com a música de minha flauta. Os animais, ao ouvirem o tom queixoso que dela sai, tomados pela compaixão, vêem e deitam-se aos meus pés e escutam com especial atenção nossa breve história de amor.
O vento balança as folhas das árvores que me cercam, mas o vento nunca me perturba, é sempre bem-vindo, pois me traz notícias de ti e o aroma de teu perfume... e depois ele dança...dança...dança... dança num alegre compasso a triste melodia.
Estou louca? Estou... Já que digo e repito que tu eras o próprio amor, e eu, apenas uma amante desvairada. Soubeste amar muito mais do que eu. Trazias-me trancada dentro de ti; em teu coração; nas profundezas de tua alma. Amavas em silêncio, enquanto eu impunha ao mundo o meu completo desespero e agora, o meu espírito não suporta mais a tua ausência.
Ainda somos um?
*****[1] Texto alusivo a uma história de amor, célebre no Oriente, do poeta sufi Nizami. Layla significa “noite” e Majnun, em árabe, “louco”.
Postar um comentário