quarta-feira, 21 de maio de 2008

TARDE DE DOMINGO


A irritação dominou a minha tarde de Domingo; tarde de Domingo quente e abatida, sem água e sem luz.
Não estou só. Na sala está também um cachorro velho que em seu cochilo inquieto, talvez esteja a sonhar com ilhas perdidas e arcas cheias de ossos.
No quarto, minha mãe; minha sobrinha e minha filha montam um rosário de histórias que enfeitam as horas ociosas.
A tarde vai passando devagar, deixando-me com a desagradável sensação de que não aproveitei o dia.
Lá fora, chama o vendedor de doces, mas, irritada, ignoro estes detalhes que poderiam me fazer feliz!
Postar um comentário