terça-feira, 23 de março de 2010

JUSTIÇA PARA OS ANJOS


 

Gotas brilhantes
Caem do céu ao mar
Devagar
Nem pássaros
Nem estrelas
Nem diamantes
São anjos
Miríades de anjos
Todos mortos
Espalhados
Sobre os campos
Sobre as flores
Arvores
Telhados
Por toda cidade
Que são mil explicações
a quem está desatento?
Que são mil sinais a quem
falta percepção?
Aperto no coração
Ondas de calafrios
Alma por um fio
Perdidos numa paisagem
Cor de chumbo
Desconhecemos o caminho
E vamos seguindo às cegas,  às tontas
Sempre na contramão
Os anjos, agora mortos
Continuam invisíveis
O tempo pára
Perplexo
Estarrecido
Temendo ser cúmplice
Desse desatino



Postar um comentário