quarta-feira, 18 de novembro de 2009

RECORDAÇÕES DA CASA DA COBRA-SERINGAL MIRIM


SERINGAL MIRIM



Baseando-me na pesquisa de Robério Braga (*) sobre o Seringal Mirim, posto que a memória traiçoeira de alguns moradores daquele tempo, ainda vivos, não me permitiu levar tudo em consideração, fiz um resumo dos acontecimentos relevantes que culminaram, enfim, com o desaparecimento do lugar em questão.

De acordo com minhas próprias lembranças, o Seringal Mirim de minha infância já estava em franca decadência, sem o colorido festivo do boi bumbá Mina de Ouro, pouco restando das seringueiras que por um longo período foi a semente mágica enriquecedora que engrandeceu e enobreceu a cidade, elevando-a a categoria de Paris dos Trópicos no auge da Belle Epoque.

Assim como um segredo que não se sabe se deve ser espalhado, aberto a todos, o bairro de São Geraldo guarda em seu seio, como um conto de amor, a bonita história do Seringal Mirim, que juntamente com a Praça 14 e o Boulevard Amazonas, é considerado um dos primeiros redutos de escravos fujões, escravos estes que deram inicio de modo um tanto conturbado, devido ao percalço da vida de perseguidos a comunidade afro-brasileira na região, que trazia consigo, como bagagem, além da coragem, apenas seus santos, suas festas, suas brincadeiras e todas as suas mais diversas formas de manifestações. Oxossi, Senhor das matas, orixá da caça e da abundância, certamente sabia o que estava fazendo quando os encaminhara para cá com a promessa de segurança e bem-estar. No Amazonas, a compra e venda de escravos era um processo assaz esporádico.

Em 24 de Maio de 1884 foi feita uma declaração pública de Libertação dos Escravos em Manaus e no mesmo ano, em 10 de Julho, são declarados livres os escravos no estado do Amazonas.

Sabe-se que por um longo período de tempo, a base de nossa economia foi à extração e comercialização da borracha, assim todos os esforços possíveis eram empregados no sentido de promover e fortalecer cada vez mais nossa única fonte econômica.

Com este propósito, após um apurado estudo para o plantio da seringueira, promovido pela Associação Comercial do Amazonas, (fundada em 1871) sob o incentivo do então comendador José Cláudio Mesquita, foi criado o Campo Experimental do Seringal Mirim, em que foram plantados mais de cem pés de seringas. Ficou estipulado o dia 24 de Junho como o dia da seringueira e todo ano, nessa mesma data, se faria o plantio de uma muda.

Por essa época ainda não se cogitava a quebra total do mercado e nem o esvaziamento da cidade, fatos estes que se sucederam algum tempo depois. Mas, antes disso, o Seringal floresceu e permaneceu ativo por muitos anos, mesmo depois do falecimento do comendador Cláudio Mesquita (embora este fosse oriundo de terras lusitanas, foi um grande incentivador dos estudos e do plantio da hévea brasiliensis) ocorrido em 06 de Novembro de 1923.


Em 1937, o Seringal Mirim esbanjava beleza e exuberância e dois anos depois, em 1939, tentando obter a benção do Ministério da Cultura, o governo do Estado pensou em dele tomar posse.

Mas, saltemos alguns anos adiante e cheguemos logo em 1943, já na jurisdição de Álvaro Maia. Neste mesmo ano, em 19 de Abril, foi criada a Escola de Seringueiros José Cláudio Mesquita, passando esta, desde então, a integrar o Serviço de Fomento Agrícola do Estado, sob a direção do agrônomo Lourenço Faria de Mello, passando o Seringal a funcionar como uma Escola de experiência de látex.


As dificuldades, como sempre, acossavam os mais pobres e as lavadeiras e viúvas da região eram amparadas pela família do conhecido político Ruy Araújo, a saber, sua esposa Helena Cidade de Araújo, e seu irmão André Vidal de Araújo, assim não tardou que o governo acabasse por criar a Vila Assistencial da Praça Liberdade que não ficava exatamente no Seringal, mas sim em uma área vizinha.

Em 18 de Junho de 1979, via decreto 4590, graças a motivos apresentados pelo historiador Robério Braga a Comissão do Patrimônio Histórico, a área do Seringal foi transformada em reserva fundiária estadual e destinada à instalação do Museu do Seringueiro, infelizmente, tal projeto, que chegou a ser desenvolvido, sequer saiu do papel.

No ano seguinte, em 1980, o asfalto chegou à região, expulsando, de vez, através da exploração imobiliária o espírito do Seringal Mirim.

A avenida Djalma Batista, antiga Cláudio Mesquita, iniciada na administração do prefeito Jorge Teixeira, dividiu o Seringal, intensificando-se as invasões de terra.

Hoje, em lugar das árvores, há prédios, casas, praças, escolas, Bancos e a Central de Energia Elétrica que ainda, segundo Robério Braga, na época em que era vereador de Manaus (1989-1982) juntamente com outros parlamentares, tentou interditar a construção para que houvesse uma preservação da memória, porém, nada foi possível fazer devido à falta de documentação.

Do antigo Seringal Mirim resta-nos doce lembrança do cordão das lavadeiras e da presença marcante do “Batuque” Ilê de Santa Bárbara, como um coração vivo; pulsante, localizado à rua João Alfredo, seguindo duas linhas religiosas, primeiro o Candomblé e depois a Umbanda, dando, dessa maneira, maior ênfase ao sincretismo religioso que une a todos e que perdura até aos dias de hoje. Toda a cultura afro-brasileira, com seus cultos e folguedos, lá foram representados e reverenciados.

Há poucos anos atrás, os tradicionais festejos em honra aos orixás, identificados para proteção de sua religião com alguns santos do panteão Católico Apostólico Romano, como Santo Antonio, São Benedito, São João, São Cosme e São Damião, São Jorge, Santa Bárbara, Santa Luzia, eram comemorados com tamanha efusão que era quase impossível, não deixar de passar no terreiro, que, antes, estava sob os cuidados de Maria Estrela, mas, que depois passou as mãos de Joana Papagaio em seguida à mãe Margarida, e, por último, a Ribamar.

O Boi-Bumbá Mina de Ouro tinha o seu curral em frente à esquecida praça da Liberdade, em um terreno vizinho ao Seringal e a dança do Papagaio (muito tempo depois do bumbá) foram destaques nos festejos que aconteciam em plena rua.


(*) RB é historiador, ex-presidente da Academia Amazonense de Letras presidente do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas, Secretário de Estado da Cultura, Turismo e Desporto.



Postar um comentário