quinta-feira, 13 de agosto de 2009

O REI DO TEMPO


Do livro O OFÍCIO DO CONTADOR DE HISTÓRIAS (Gislayne Avelar Matos/Inno Sorsy)

Elas contaram e eu torno a contar...

Era uma vez um viajante que caminhava pelo grande deserto de neve. Tudo era imenso, triste, solitário.
O viajante parou para descansar um pouco à beira do caminho e pensava, exausto: "Devo chegar antes do anoitecer à primeira aldeia deste deserto gelado."
Como se sentia fatigado, fechou os olhos por alguns minutos, mas logo foi despertado por uma voz estranha, um pouco distante, porém, infinitamente penetrante, que lhe disse: "Você está muito cansado. Venha comigo e repouse um instante. Todo viajante descansa em meu palácio."
A voz era de velho muito velho, talvez até mais que centenário ou talvez até mais que milenar... Na verdade, ele não tinha cor nem idade, talvez fosse mais cinza que o céu de inverno ou talvez fosse mais branco que a neve.
O viajante olhou-o atentamente e viu que o velho tinha na testa um magnífico diadema real e, que, apesar da idade, possuía a força e a leveza da juventude.
"Entre em minha casa" continuou o velho "Meu palácio é mais rico e belo que o mais precioso de todos os palácios do mundo. Veja!"
O viajante, impressionado, viu aparecer dele um palácio que parecia de cristal. Através de seus muros transparentes e brilhantes, podiam-se perceber tesouros inesquecíveis, flores de beleza indescritível, pedras preciosas que reluziam em todas as paredes. O palácio cintilava! E o viajante, ainda pasmo, perguntou: "Que riquezas são estas? Poder-se-ia compra o mundo todo com o que possuís, ó Rei!
O velho simplesmente sorriu e respondeu: "É fato, viajante. Aqui há tesouros de tal valor, que poderiam comprar o mundo. Estas flores e estas pedras preciosas que você vê são as únicas verdadeiras riquezas do mundo: são as ideias do mundo. Quando uma ideia já viveu seu tempo, eu a recolho em meu reino. Aqui, ela dorme o sono do gelo, para recuperar o brilho e a beleza que perdeu entre as pessoas. E ela dorme até o momento em que seu destino esteja pronto para novamente se cumprir, até o momento em que uma alma humana deite seu olhar sobre ela com um pouco de amor. Então com o calor da respiração dessa alma, o gelo se derrete e a ideia volta a viver, jovem e cheia de força. E todos no mundo gritam em torno dela: 'Eis uma nova ideia!' Mas estão enganados: a ideia não é nova, ela já existia, entretanto, como seus ancestrais a rejeitaram com desprezo, ela adormeceu no palácio de gelo. Contudo, ai do homem que desperta um ideia forte, será infeliz, uma vez que possuído por ela, jamais será o seu senhor."
"Onde está vosso palácio, Rei? Em que país habita Vossa Majestade? Onde fica o vosso reino?"
Mas o rei tornou a sorrir e nada respondeu.
Tudo ficou cinza diante do viajante, e seus olhos começaram a se esfumar. Ele tornou a perguntar: "Quem sóis vós, ó Rei?"
E de longe, escutou a compreensível resposta: "Eu sou o tempo".
.
Postar um comentário