segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

REFLEXÕES DE UMA ALIENÍGENA SOBRE O ESTRANHO COMPORTAMENTO DOS SERES HUMANOS

                         

AMANHECI DE LUA, DÁ LICENÇA... ALIEN TAMBÉM TEM ESSE DIREITO...
Observar os humanos me deixa muito apreensiva e extremamente exausta. Já deveria estar acostumada, mas do meu ponto de vista intergalático, eu, como habitante de um mundo “inexistente” (sim... pois, para os humanos, aquilo que não se vê, ou que não se pode tocar não existe) ouso dizer que os humanos me irritam profundamente com essa mania de se acharem a melhor coisa já feita por Deus neste vasto Universo. São melhores que tudo e em tudo, senhores de uma arrogância tão estúpida quanto inútil. Zombam até mesmo do “trabalho das estrelas”. (Não me peçam para explicar como é feito este trabalho...) Resultado... estou com uma dor de cabeça deveras horrorosa e um desânimo que beira ao desencanto. Desencanto total... com a vida, com as pessoas, de um modo geral. Às vezes, não é sempre, me dói estar viva... me dói estar “presa” a um corpo e a um mundo tão doente... Minha espaçonave está logo ali, pousada no meu quintal... bem ao alcance... estão faltando algumas peças... Saibam... a aterrissagem foi um tanto trabalhosa... todo dia ajeito, mas não sei quando ficará pronta. Bom... de qualquer modo, é fato... estou proibida de abortar a missão... Liberdade de escolha tem seus limites... outros aliens estiveram aqui antes de mim... e outros, certamente virão depois, mas não pensem que sou a única, atualmente, a me remoer com os disparates cometidos pela humanidade, essa “donzela adormecida”, há outros, como eu, espalhados pela superfície do planeta. Vou deixar de lado, no futuro, minhas reclamações... entretanto, hoje, me perdoem... está difícil... acordei com uma sensação de estar sobrando... estou vazia... nada de música, nada de amigos, nada de paixões... é meio estranho me ver de repente como um ser carente, fragilizado... é meio estranho me ver como um desses humanos, que arrastam consigo uma multidão de fantasmas... não quero virar um boneco, uma espécie de Pinóquio E.T.ransformer... esse disfarce de humano me incomoda...a pele me dá alergia... Vou dar um tempo... Vou para a lua, partirei no foguete que já está a subir.... a fugir pra longe daqui... Haaa... outra vez me perdoem os pensamentos desarrumados... deve ser a atmosfera da terra, tão pesada, que depois de tanto tempo, começa a fazer seus efeitos... só pode ser...