quarta-feira, 16 de setembro de 2015

ZÉ POVO

Imagem de Zé Povinho, personagem criado em 1875, pelo caricaturista português, Rafael Bordalho Pinheiro, numa charge intitulada Calendário Português, para o periódico de humor político, A Lanterna Mágica, afim de criticar de forma humorística os problemas políticos, sociais e econômicos do país.

TRÊS QUESTÕES


1. Se você é pobre e ignorante; sem escola, sem trabalho, marginalizado, você não tem condições de pensar por você mesmo, certo?! Tem que atribuir esta função a outros.
2. Se você é pobre e ignorante; sem escola, sem trabalho, marginalizado, é porque você é preguiçoso e quem lhe diz isso é aquele que pensa por você e você tem que aceitar e se acomodar em sua condição de inútil, vegetal, porque o senhor lá é que sabe das coisas, posto que estudou mais e não você, e você, "inocentemente" espera; espera, acredita em promessas, não por ingenuidade, mas, por omissão, embora você nem saiba o significado desta palavra ou talvez, nem jamais a tenha sequer ouvido, na verdade, você não é burro, nem omisso, você é apenas um ponto em questão; relevante, em alguns casos; você é apenas um "inocente útil"; sim, "inocente útil"; roda de engrenagem barata, mas sólida, ator coadjuvante, numa grande história, cujos diretores; roteiristas e até as camareiras, vivem a lhe dizer da possibilidade de você ser escalado um dia pra um importante papel, mas, quem sabe somente na próxima; na próxima e dessa forma, lhe mandam sentar e esperar e você obedece, senta e espera, espera, até que venha a sua vez não de atuar romanticamente, mas, enfim de servir de "boi de piranha"; ou "bode expiatório"; "laranja"; " testa de ferro" em um excelente negócio, onde todos levam o seu, menos você, que acaba sempre por pagar o pato (pato com laranja) e mesmo tendo todas as condições físicas para tentar correr atrás de algo mais condizente com sua situação, você não corre porque aí é que mora o perigo; claro, se você correr, o bicho pega, (você nem lembra que se ficar, o bicho come e dessa parte, nem fazem questão mesmo de lhe lembrar) se você correr, capaz de perder todos os benefícios, o qual agora usufrui e pelo qual aguardou por tantos, tantos anos, e depois, correr pra quê?! Se aquele que pensa por você se sacrificou, lutou e agora diz que o tempo passou e você não tem a menor chance, a menor condição psíquica pra subir mais um degrau na escala humana; na escada da vida, é difícil, você precisa ter "amigos" e aí, mais uma vez, você acredita. 
3. Por mais que você seja pobre, ignorante, tosco, sem escola, marginalizado, você pode perceber vez por outra, que te fazem de bobo; mas, você não se revolta, até esquece, porque não sente a necessidade iminente de clarear as ideias e dizer o que sente, por vergonha ou temor, porque quem pensa por você, diz que você não tem nenhum valor e já deveria estar acostumado, uma vez que tem que ter cuidado, pois "quem diz o que quer; ouve o que não quer", oooohhh, não há maior verdade. 
Bom, não generalizando, citei estes três pontos; a necessidade amplia a vontade inerente de voar um pouco mais alto, mas, a preguiça, aquela a qual todos nós estamos sujeitos, não deixa você pensar duas vezes sobre as suas reais possibilidades de alcançar outros céus, porque te disseram desde cedo que é feio admitir que você é realmente preguiçoso e que por isso abriu mão de toda responsabilidade e defesa para consigo mesmo, posto que, era mais fácil depositar tudo sobre o ombro "amigo" do outro. Agora, o outro voa cada vez mais alto, mas sem a preocupação/obrigação patronal; efetiva; emotiva de ter que te carregar às costas.
Postar um comentário