quarta-feira, 9 de novembro de 2011


Art Gallery_Daniel Dell'Orfano


Chuva cumprimenta tarde
Que se cansa do não fazer
O sol se foi sem se despedir
Saiu à francesa
À mor de não ter que dar explicações
Embaraçosas talvez
A nuvem cinza que percorria o espaço
Aproveitou-se e descarregou seu mau-humor
Em forma de raios e trovões
Parecia mesmo muito zangada
Agora, a chuva que cai, tão morosa
Atrapalha o passeio de quem tem o que fazer
Neste domingo preguiçoso
Eu cato meus cacos
E desacato o tempo
Teimo em não misturar minhas lágrimas
Com a cantata da chuva sem graça
Que logo passa e se perde além ...
Vai-se, solitária e trágica
Agitar em algum outro porto
Não tão distante de aqui
Postar um comentário