sábado, 10 de setembro de 2011

LÁZARO





O sol escondia-se por trás do alto muro envelhecido. Raios dourados, preguiçosos, recolhiam-se mansamente ao encontro da bola de fogo, que agora, não parecia mais tão flamejante. O que acontecera? O mundo novamente era-lhe um lugar estranho, sombrio... Surreal seria a palavra para descrevê-lo neste momento... mórbido pesadelo que começara numa certa manhã de agosto, e o frio e a noite que há tempos moravam em sua alma a envolveram de vez. Não sabia o que fazer a jovem senhora... sentiu o peso da absoluta solidão, cada vez maior, cada vez mais abrangente. Saber que teria que continuar cada vez mais só... não perdera apenas o marido.. perdera o amigo, o irmão, o amante... Deixou-se cair prostrada no divã da sala. A casa tão grande ... os dias cinzentos, mesmo com e apesar do sol... Como dirigir-se å pequena câmara mortuária na capela da família? Como velar, como olhar para aquela pessoa amada, já sem vida, como aceitar isso? Ainda não parara de chorar ... nenhum trunfo nas mãos?.. nada ?... apenas o sacrifício de ter que continuar vivendo?.. só .. completamente só... cobriu o rosto com o pequeno véu, tomou a rosa vermelha de pétalas cintilantes e aveludadas que lhe dera na noite anterior, ainda exalava perfume, segurou-a entre as mãos como quem guarda um segredo ...  dirigiu-se å capela... não ousaria perguntar mais... não discutiria com Deus... mas havia ... a palavra... a palavra que se não lembrava ... anos de estudo de magia para quê?! Ao chegar o momento, nada poder fazer? Quais os propósitos da vida? Como alguém tão bom, tão especial poderia partir assim, simplesmente, num momento de desatino, ter sua vida ceifada por um inútil saído das profundezas do inferno ... o desespero era gritante e tão grande ... ai, finalmente... lembrou-se ... a palavra... a palavra então veio-lhe å mente ... ainda tinha sim, um recurso, um último recurso... não poderia errar... Aproximou-se vagarosamente do caixão... aproximou-se mansamente do morto... eram tantas rosas... tantos prantos convulsivos.. tantos amigos... a rosa em suas mãos brilhou com uma luz sobrenatural... abaixou-se e sussurrou em seus ouvidos ... nada .. esperou a eternidade num instante ... nada... uma fraqueza... de repente, um subito desfalecimento ... a rosa ofuscante quase se desprendendo de suas mãos... agonia ... um estremecimento... um estalo ... seria seu coração... não ... um respirar ainda pesado ... uma mão que se estende para fora e segura a borda do caixão ... o corpo se levanta ... os olhos se abrem .... as flores caem ... o morto vive!