segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

COMPETÊNCIA



         Ele era muito competente e ninguém desconfiaria e se desconfiassem nunca poderiam provar nada. Afinal, que razões ele teria para fazer aquilo? Bem, seu tempo estava se esgotando. Precisava acabar logo com isso. Já estava tudo acertado em sua mente fria e calculista, o plano não tinha como ou por que dar errado... No momento oportuno, sem que o vissem, deixou o trabalho e voltou para casa e rapidamente deu inicio a tarefa. A mulher ainda estava dormindo e silenciosamente trouxe o filho mais novo e deitou-o ao seu lado. Não demorou muito... uma hora depois, saiu de casa, calmamente batendo a porta. Ninguém o viu e certamente, não ouviu nada. Ele era extremamente competente. Sabia disso.

         De volta ao trabalho, cumpriu suas funções como sempre, mas indo e vindo de um lado para o outro, de forma que todos o vissem. Ninguém estranhou seu comportamento e, na hora exata, como sempre, voltou para casa, pois era um marido e pai exemplar....  “ e o show deve continuar!”

         Quando a polícia e a ambulância chegaram, ele já estava à porta, esperando, pronto a colaborar, a dar explicações e chorando copiosamente, contou com o que se deparara... a sua jovem esposa, que ele pensara estar dormindo, estava, na verdade, morta... suicidara-se ao lado do filho enquanto o pequeno inocente estava a dormir.

         Apesar de caracterizado como suicídio, alguns indícios, diga-se, de passagem, considerados por muitos irrelevantes, levavam a crer que havia um culpado, mas como provar? O marido tinha uma reputação ilibada e um álibi irrefutável, se havia um culpado, onde estava e porque havia feito isto? Um crime passional? Poderia ser, embora todos dissessem inclusive o marido, que ela vivia para o lar e para os filhos...  mas, nunca se sabe, e se foi crime passional, ou não, foi premeditado e cuidadosamente posto em execução.

         No enterro, o marido era só desolação, rezando, gritando, chorando a perguntar, para quem chegasse pronto a dar-lhe as condolências, por que ela fizera aquilo, e, num repente, a fim de dar mais veracidade a cena, lançou-se ao caixão, em frenético desespero... era mesmo muito competente, pois todos acreditaram em sua dor.

         Em pouco tempo, como era muito competente em tudo o que fazia, mas também voraz e arrogante, apresentou a noiva linda e grávida, comprou um carro e se mudou do estado... Os familiares tontos com a surpresa, a polícia... há muito desconfiada, ficou mais ainda... mas, ele era extremamente competente, um homem de moral ilibada e um álibi irrefutável e depois um segundo casamento, não queria dizer nada, segundo ele, amigos e parentes, precisava reconstruir sua vida, seus filhos precisavam de uma mãe, quanto ao dinheiro da apólice do seguro, de uma forma ou de outra, o dinheiro tinha que ser usado... tinha agora, uma família maior para cuidar. Ela faria o mesmo... de  onde quer que ela estivesse, cria ele piamente, que abençoara sua união... Assim, todos baixavam a cabeça, concordando... o homem tinha razão... ninguém foi feito para viver só... ninguém tinha o direito de julgá-lo, um homem extremamente cioso de seus deveres de pai e esposo...

         Ele, muito orgulhoso de si, pensava com seus botões: “Puxa, como sou competente!”

         Os anos se passaram sem que nada de fato acontecesse, mas por causa de um simples comentário feito por um vizinho, um dos detetives passou em revista as provas do cenário do suposto suicídio e por causa de um fio de cabelo e uma marca do rosto no travesseiro, o caso foi reaberto. Comprovou-se afinal a culpa do marido.  Ele, diante das provas do crime, confessou...  Matara a mulher, porque queria viver com outra, que era muito mais bonita e estava grávida. Matou-a enquanto dormia e para disfarçar, pôs o filho a dormir ao seu lado. Matou-a porque já não a suportava; matou-a por queria viver em paz (nessa parte, “paz”, para ele, significava o “bom” uso do dinheiro do seguro que, aliás, foi empregado para pagar as despesas do casório) confessou com a frieza daqueles que cumprem mecanicamente um dever, e como era muito competente e sabia disso, conseguiu um ótimo advogado, tão competente quanto ele, que após firmar um acordo, livrou-o da cadeia em menos de um ano e como era muito competente em tudo o que fazia, quando saiu, à porta da cadeia, a mulher e os filhos o esperavam, e num abraço caloroso, voltaram todos, mais unidos do que nunca, ao recesso do lar, aonde, finalmente poderiam desfrutar de toda a “paz” que o dinheiro do seguro poderia comprar. Ele provara que os amava muito e já sofrera o bastante, merecia a consideração da família... e o que era uma vida a mais em toda essa não tão incomum historia? Apenas um detalhe... uma vida... sacrificada,  sim...  desperdiçada... nunca.
Postar um comentário