terça-feira, 21 de dezembro de 2010

PONTO DE CONVERGÊNCIA


Um ponto de convergência

Um ponto de paciência

Abre-se pleno, misterioso, milagroso

No olho da consciência!

No meio da testa

A história da terra

Certezas/incertezas

Fortalezas e fraquezas

Misturadas na incansável busca

De um sonho singular

Vejo o que vejo

O que não vejo

Eu ouço

Os mistérios

Se completam

No maravilhoso abstrato

Um jovem cantor

Canta um blues

No fim do arco-íris

A alma reza

Se aquieta

Desanca a dor

Que desaparece

numa trilha de estrelas


Postar um comentário