quarta-feira, 3 de novembro de 2010

GRANDE E SILENTE MISTÉRIO





Vontade imensa de chorar
Vontade de gritar “pára o mundo que eu quero descer”
Mas, quando olho para os lados
Pra frente ou para trás
Percebo que não posso
E murmúrios de anjos mandam-me continuar
Ainda resta uma longa estrada
Não sei se deserta até o fim... por enquanto sim
No momento
Não há nenhum passante
Nenhum discreto, sereno viajante
Que possa me acompanhar
À estalagem mais próxima
De qualquer forma
A viagem é perigosa
Há lobos e bandidos ao longo do caminho
A morte sempre à espreita
Poucos abrigos
Poucos amigos
Poucas esperanças
Confesso
Tenho medo
São muitos os receios
Acalmo o coração
E acomodo-me ao tronco da palmeira
Que cresce no Oasis distante, meu refúgio
Que, para o meu alivio
Conheço bem o destino
Lá, o sol é tolerante
A água refrescante
O vento faz seu discurso delirante
E a lua me reanima
Com seus segredos
Penetra-me com sua luz
E embala-me na rede do crescente
Durmo tranqüila entre as nuvens
Povoadas de sonhos
A realidade então não me parece mais tão brutal, tão cruel,
tão importante, tão caprichosa...
E apreendo, por curtas horas que equivalem à eternidade
A natureza íntima, a essência única e divina do grande e silente mistério




Postar um comentário