segunda-feira, 8 de novembro de 2010

COMO O DIABO FOI PARAR NA ENCRUZILHADA



EXU, O MENSAGEIRO – ENTRE A SOMBRA E A LUZ

O temido demônio dos cristãos e afins, perde o horror e a feiura quando visto pelo lado mitológico das raízes africanas.

Segundo a mitologia ioruba, Exu Legba Eleguá Bará era um dos mensageiros que fazia a ligação entre o mundo dos homens e dos deuses, buscando solucionar problemas que afligiam tanto a um quanto a outro, sem distinção.

Reza um mito ioruba, que, certa feita, vagando Exu por terras d¢África, ia ele de aldeia em aldeia, catando remédios e soluções para grandes e terríveis aperreios que atormentavam a todos naquele tempo.
Os deuses aconselharam Exu que ouvisse tudo o que se relacionasse aos homens, coisas e animais que vivessem aqui na terra; suas queixas, dramas e histórias, enfim, que ouvisse tudo, que nada lhe escapasse, mesmo aquilo que, aparentemente, não tivesse qualquer importância.
E assim foi! Assim ele fez!
Cumprida a missão, Exu, o mensageiro, viu-se detentor de um abrangente conhecimento, capaz de resolver os mais intrigantes mistérios que iam desde a origem e o governo do mundo; dos homens à natureza.  
Tanta sabedoria foi repartida com um sábio adivinho chamado Orumilá ou Ifá, que, por sua vez, transmitiu esses segredos aos seus discípulos, os denominados babalaôs, que quer dizer, pais do segredos
Os cultos aos outros orixás, só é possível com a presença de Exu, pois ele é o mensageiro, àquele que faz a intermediação entre deuses e homens. Sem a presença de Exu nada acontece. Sem a presença de Exu a vida pára.
Como foi comum de acontecer às diversas culturas com quem os cristãos tiveram contacto, Exu acabou rebaixado à categoria de demônio, ou seja, o próprio diabo.   

Conta-se que Exu era pobre, não possuía nada, nadinha, nem um vintém, nem um grão de farinha. Vagava pelo mundo feito um vagabundo, sem eira nem beira.
Um dia, resolveu ir à casa de Oxalá e assim passou a fazer todos os dias, pois lá passava horas distraído, vendo o velho orixá criar os seres humanos.  
Muita gente ia à casa de Oxalá, visitá-lo e ali ficavam por alguns dias, mas não aprendiam. Chegavam trazendo presentes, oferendas para o Deus, admirando a perfeição de sua arte.
Exu passou um longo tempo na casa de Oxalá, exatamente dezesseis anos passou Exu, prestando atenção em tudo que fazia Oxalá, como ele modelava os seres humanos, aprendeu direitinho. Exu estava pronto a ajudar Oxalá. Então, o velho deus mandou que Exu fosse se postar na encruzilhada do caminho que levava à sua casa, pra que ele não deixasse passar quem não lhe levasse oferendas. Oxalá estava muito ocupado na confecção de mais e mais seres humanos e não tinha tempo a perder recolhendo presentes; aliás, nem tempo pras visitas ele tinha...
Exu foi e postou-se na encruzilhada, a recolher os ebós que depois entregava a Oxalá. Tudo correu tão bem, tão ao gosto de Oxalá que ele resolveu recompensá-lo e decretou que quem fosse à sua casa teria que levar alguma coisa também a Exu e quem estivesse voltando, deveria fazer o mesmo. 
Exu tornou-se guardião da casa e dos mistérios de Oxalá. Tendo somente um ogó, uma espécie de porrete poderoso, afastava as pessoas nefastas e castigava a quem tentava enganá-lo e passar desse modo pela sua vigilância.
Exu trabalhava em tempo integral e na encruzilhada montou sua casa. Ninguém mais podia passar por ali sem deixar-lhe alguma coisa e foi assim que Exu ficou rico e muito poderoso. 

Postar um comentário