segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Orestes: Entrevista Com Virgínia Allan

Orestes: Entrevista Com Virgínia Allan

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Entrevista Com Virgínia Allan

por Mario Orestes


Escritora e poetisa, Sayonara Melo, que responde pelo pseudônimo de Virgínia Allan, já publicou alguns livros e mantêm atualizações em quatro blogs, twitter, orkut e facebook. Seus escritos são criativos e líricos, com influências que vão de Edgar Allan Poe, blues à filosofia oriental. Costumo dizer que esta é a mulher mais inteligente que conheço. Lúcida, talentosa, meiga e ótima conselheira, Nara é um exemplo de superação e humanismo. A entrevista a seguir, ela me concedeu gentilmente para postagem no blog Orestes.


Orestes: Como surgiu o pseudônimo “Virgínia Allan”?
Virgínia Allan: Surgiu a partir da admiração pelo escritor americano Edgar Allan Poe, cuja esposa chamava-se Virgínia Eliza Clemm Poe; adotei o pseudônimo de Virgínia e troquei o sobrenome por Allan.
O: Como a referência de Edgar Allan Poe chega a influenciar em sua obra?
VA: Ah! Influencia sempre, em todos os momentos. Ele ensinou-me, ensina-me ainda, a pontuar os momentos sombrios com a dose exata de suspense, dor, melancolia ou assim eu penso e como sou bastante crítica, acredito em mim.
O: Muitos foram os escritores de sucesso que não tiveram formação acadêmica. Você já sofreu discriminação ou algum outro tipo de problema por ser autodidata?
VA: Na verdade não. Um escritor, de certa maneira, não precisa ter formação acadêmica, não quero dizer com isto que as pessoas não tenham que estudar. Longe disso, mesmo porque para se escrever um livro, como disse alguém que não lembro no momento, é preciso ler pelo menos meia biblioteca. É indispensável sim, a leitura o estudo, as viagens, enfim, tudo aquilo que te ajude a compor um novo mundo. É necessário ter a mente aberta e alerta, discutir, ver, rever novas/velhas idéias; se necessário mudar de posição, conceitos e assuntos.
O: Desde quando você começou na arte da escrita e como você atinou que tinha tais afinidades?
VA: A escrever mesmo, comecei por volta de 1998; achar que tinha algum talento ao receber elogios e incentivos de pessoas relevantes na escrita, não que desse suprema importância as suas opiniões, eram importantes à medida que eu também comparava meus textos a outros de indiscutível aceitação literária; ou seja, eu mesma fui criando critérios que até hoje me norteiam na hora de escrever e expor meus assuntos. 
O: Qual a maior dificuldade para um autor hoje em dia?
VA: Depende do autor. O meu esbarra na falta de verba, na falta de apoio, na falta de uma política pública decente. Eu já desisti de procurar apoio de Secretarias de Culturas, Projetos de empresas e prefeituras. Por enquanto, faço o que posso.
O: Vivemos a era da informática. Com isso, você chega a usar o papel e a caneta ou faz seus rascunhos e primeiras anotações diretamente no computador?
VA: Não! Não vivo mais sem computador e internet. Meus rascunhos são direto na máquina, embora corra risco constante de perdê-los. Sou meio relapsa quando a questão é fazer “backup”.
O: Apesar de ter livros lançados, você escreve constantemente para seus blogs. Logo, quando você escreve, pensa no produto final para o formato digital ou impresso? Existe alguma diferença durante o processo de criação?
VA: Pra mim, não. O processo é um só, mas o formato, claro, é diferente. Mas não penso nisso enquanto escrevo e posto nos blogs. 
O: Qual sua maior fonte de inspiração?
VA: Minha maior fonte de inspiração vem da minha busca de crescimento humano e espiritual. Trilho um caminho que não te exige nada, a não ser o esforço sobre você mesmo.
O: Quais seus próximos projetos a serem produzidos ou lançados?
VA: Meu próximo projeto será uma graphic novel abordando justamente esse crescimento interior. Um conteúdo, digamos, filosófico, mas sem ser chato, pesado.
O: Grato pela entrevista. Deixe seu recado para os leitores e seus contatos.
VA: Eu é que agradeço. Meu recado é apenas que todos possam estar atentos; com a mente livre, abertas a mil e uma possibilidades. A felicidade tão almejada é um estado superior... alquimia interior que deve ser praticada, cultivada com sabedoria. 




sexta-feira, 26 de novembro de 2010

MAPINGUARI


Mapinguari
Velho pajé
Sorrir no reboar do tempo
Ao relento
Palavras jogadas ao vento
Engolidas por sua boca monstruosa
Não é louco
Não é louca
Nem macho
Nem fêmea
Mas gera um poema
As palavras engolidas
São devolvidas sem muitas rimas
Não faz seu gênero
Bancar a intelectual irritante
Não faz mal
Mapinguari
Ao natural
Pra todos os gostos
Um bicho grande
Bicho do mato
Meio gente
Meio macaco
Ou como dizem uns/alguns
Bicho-preguiça mais que grande
Verdadeiro gigante
Voz atordoante de trovão
Que se ouve longe
Um ser desordenado
Desencontrado
Tem pés arredondados e virados
Longos pêlos embaraçados
Feio de dar dó
Não toma banho
Fede pra danar
Pior que gambá
Não respeita feriado
Nem dia santo
E domingo
Dia de descanso
Para ele é um dia
“Em que também se come” 
Mapinguari
Garras afiadas
Devorador de homens
“Pega, mata e come”
É pior que carcará
Não morre nunca
Saiba já
Mas tem ponto fraco
É no umbigo
A parte sensível  
Ou que tal uma baita
Certeira
Paulada na cabeça
Mas quem se anima
A tal proeza?
Alto lá!
É melhor não duvidar
Quê que há!
Mapinguari
Sabe se cuidar
O sujeito que for tentar
Irá fatalmente se arrepender
Pois nem terá tempo de correr
Que dirá se benzer
Fazer aos céus uma oração
Por obra de magia
O corajoso dito cujo
Esquecer-se-á de tudo
Ficará tonto
Ficará mudo
Verá a noite crescer em pleno dia
Há de esquecer-se de Deus
E da Virgem Maria

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

PIRAMIDAL


Sob o sol escaldante do deserto
Encerradas em silêncio sepulcral
Pirâmides velhas, arcaicas como o mundo

O tempo não conta por aqui
Nem os antigos reis
Que descansam no vale

Ó múmias dos poderosos faraós
O que foi feito de vós? Acordai!
Levantai dos sarcófagos! E soprai para longe o mofo
de vossas ataduras

Pr’além dos quadros
Pr’além dos desertos  

sábado, 20 de novembro de 2010

ATOS IMPENSADOS


Mais um dos meus exercícios de resposta à escritora Clarice Lispector: Escrevendo para ela, tenho aprendido muito!   
                             

Impulsiva, no sentido real da palavra, eu não sou. Apenas muito raramente ajo assim, sem pensar. Agir por impulso, por instinto, nos remete a uma questão de sobrevivência. Um olhar dado a nossa volta a um contexto exterior.  Por intuição, sim, ajo quase sempre. De qualquer forma o resultado de tudo isso, para mim, não é reconfortante, e é quase mesmo desesperador, seja eu pensando demoradamente sobre a situação, seja agindo por intuição ou por impulso. Sob qualquer uma das formas, lá vou eu, ladeira abaixo, quebrando a cara, arranhando a pele, arrependida, até os últimos botões. Acertei pouquíssimas das centenas de milhares de idéias que já tive, portanto, posso afirmar, com toda segurança e razão, que há perigo em “quase” tudo: há perigo em se pensar demais, há perigo ao agir por impulso, só não há perigo ao seguir a intuição, isso se, no caso, intuição, não for confundida com infantilidade. Dizem que há oportunidade no perigo, ou vice-versa, por intuição, nunca soube o que isso significava, já que nunca vivi um perigo tão alarmante ou iminente a ponto de perceber, ter ou receber uma maravilhosa oportunidade. As melhores oportunidades que eu tive na vida eu mesma as criei e as me dei de presente, correndo apenas leves riscos; mas nada que lembrasse uma situação vivamente (ou morbidamente) perigosa. Eu estou tentando, melhorar, crescer como ser humano. Agir impulsivamente quer nos dizer que ainda estamos no âmbito animal da questão, agir assim, pro mal ou pro bem, é totalmente irrelevante para a remissão espiritual e, muitas vezes, catastrófico para o bem estar físico e mental. Conter o impulso, dependendo da ocasião, dá-nos uma sensação de força interna, como tu bem o dizes, Clarice, outras vezes, contê-lo causa-nos frustração, inquietude e tristeza.... e por que isso acontece? O impulso é um agir sem pensar, mas pensar não significa se desprover das emoções. A existência é dar-se conta de si é saber o que ser quer e fazer acontecer. Nós podemos abraçar e beijar alguém por impulso ou por querer, plenamente consciente desse querer, então, Clarice, o que é preferível. Sem essa de auto-controle para esconder os sentimentos. Acertar ou errar só funciona quando não sabemos o que estamos fazendo, e como somos falhos, imperfeitos, ainda não acertamos o caminho, e continuaremos, por um longo tempo, a acertar e a errar, aceitando, ou tendo que aceitar a partir daí os resultados, nem sempre agradáveis, de nossas ações. Por enquanto é o que se há de fazer. Atos impensados são brincadeiras de criança, um joguinho infantil de quem se recusa a crescer. É um prazer, uma alegria, que um dia perderá o encanto. Não quero mais pensar nesse assunto. Encerramos aqui. Acho que cresci, Clarice. Mas, não nos preocupemos; sem querer te desanimar, te digo que mais cedo ou mais tarde, chega-nos a maturidade e um dia, querida, todos nós, de um modo ou de outro, seremos adultos... isso, claro, se tivermos sorte!                              

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

TRANSCENDENTE


Irei lembrar-me
De todos os detalhes
De momentos inteiros
De vidas entrelaçadas no tempo
Ocultas dentro do ser
Todas as ausências
Todas as presenças
Lanço ao vento minha oração
E as minhas pseudos-verdades
Soam como blasfêmias
Na boca de um santo
Mas digo amém a cada frase dita
Submissa a uma vontade maior
Limito-me a buscar o ilimitado
Vasculhando o alfabeto do cosmo
Do alfa ao ômega
A identidade de Deus
Se revela então numa estrela
Transcendente mistério
Que se cala em minh’ alma
O imenso espelho polido
Mostra agora todas as cores do Universo

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Nenhum De Nós - Camila Camila _ao vivo


Camila Camila
Nenhum de Nós
Composição: Carlos Stein / Sady Hömrich / Thedy Corrêa

Depois da última noite de festa
Chorando e esperando amanhecer, amanhecer
As coisas aconteciam com alguma explicação
Com alguma explicação
Depois da última noite de chuva
Chorando e esperando amanhecer, amanhecer
Às vezes peço a ele que vá embora
Que vá embora
Camila
Camila, Camila
Eu que tenho medo até de suas mãos
Mas o ódio cega e você não percebe
Mas o ódio cega
E eu que tenho medo até do seu olhar
Mas o ódio cega e você não percebe
Mas o ódio cega
A lembrança do silêncio
Daquelas tardes, daquelas tardes
Da vergonha do espelho
Naquelas marcas, naquelas marcas
Havia algo de insano
Naqueles olhos, olhos insanos
Os olhos que passavam o dia
A me vigiar, a me vigiar
Camila
Camila, Camila
E eu que tinha apenas 17 anos
Baixava a minha cabeça pra tudo
Era assim que as coisas aconteciam
Era assim que eu via tudo acontecer


segunda-feira, 8 de novembro de 2010

COMO O DIABO FOI PARAR NA ENCRUZILHADA



EXU, O MENSAGEIRO – ENTRE A SOMBRA E A LUZ

O temido demônio dos cristãos e afins, perde o horror e a feiura quando visto pelo lado mitológico das raízes africanas.

Segundo a mitologia ioruba, Exu Legba Eleguá Bará era um dos mensageiros que fazia a ligação entre o mundo dos homens e dos deuses, buscando solucionar problemas que afligiam tanto a um quanto a outro, sem distinção.

Reza um mito ioruba, que, certa feita, vagando Exu por terras d¢África, ia ele de aldeia em aldeia, catando remédios e soluções para grandes e terríveis aperreios que atormentavam a todos naquele tempo.
Os deuses aconselharam Exu que ouvisse tudo o que se relacionasse aos homens, coisas e animais que vivessem aqui na terra; suas queixas, dramas e histórias, enfim, que ouvisse tudo, que nada lhe escapasse, mesmo aquilo que, aparentemente, não tivesse qualquer importância.
E assim foi! Assim ele fez!
Cumprida a missão, Exu, o mensageiro, viu-se detentor de um abrangente conhecimento, capaz de resolver os mais intrigantes mistérios que iam desde a origem e o governo do mundo; dos homens à natureza.  
Tanta sabedoria foi repartida com um sábio adivinho chamado Orumilá ou Ifá, que, por sua vez, transmitiu esses segredos aos seus discípulos, os denominados babalaôs, que quer dizer, pais do segredos
Os cultos aos outros orixás, só é possível com a presença de Exu, pois ele é o mensageiro, àquele que faz a intermediação entre deuses e homens. Sem a presença de Exu nada acontece. Sem a presença de Exu a vida pára.
Como foi comum de acontecer às diversas culturas com quem os cristãos tiveram contacto, Exu acabou rebaixado à categoria de demônio, ou seja, o próprio diabo.   

Conta-se que Exu era pobre, não possuía nada, nadinha, nem um vintém, nem um grão de farinha. Vagava pelo mundo feito um vagabundo, sem eira nem beira.
Um dia, resolveu ir à casa de Oxalá e assim passou a fazer todos os dias, pois lá passava horas distraído, vendo o velho orixá criar os seres humanos.  
Muita gente ia à casa de Oxalá, visitá-lo e ali ficavam por alguns dias, mas não aprendiam. Chegavam trazendo presentes, oferendas para o Deus, admirando a perfeição de sua arte.
Exu passou um longo tempo na casa de Oxalá, exatamente dezesseis anos passou Exu, prestando atenção em tudo que fazia Oxalá, como ele modelava os seres humanos, aprendeu direitinho. Exu estava pronto a ajudar Oxalá. Então, o velho deus mandou que Exu fosse se postar na encruzilhada do caminho que levava à sua casa, pra que ele não deixasse passar quem não lhe levasse oferendas. Oxalá estava muito ocupado na confecção de mais e mais seres humanos e não tinha tempo a perder recolhendo presentes; aliás, nem tempo pras visitas ele tinha...
Exu foi e postou-se na encruzilhada, a recolher os ebós que depois entregava a Oxalá. Tudo correu tão bem, tão ao gosto de Oxalá que ele resolveu recompensá-lo e decretou que quem fosse à sua casa teria que levar alguma coisa também a Exu e quem estivesse voltando, deveria fazer o mesmo. 
Exu tornou-se guardião da casa e dos mistérios de Oxalá. Tendo somente um ogó, uma espécie de porrete poderoso, afastava as pessoas nefastas e castigava a quem tentava enganá-lo e passar desse modo pela sua vigilância.
Exu trabalhava em tempo integral e na encruzilhada montou sua casa. Ninguém mais podia passar por ali sem deixar-lhe alguma coisa e foi assim que Exu ficou rico e muito poderoso. 

quinta-feira, 4 de novembro de 2010




Dijo el profeta de Allah

Quien ayuda a las viudas y a los huerfanos
es como si hiciera el yihad por la causa de Allah
o como si ayunara todo el dia
y estuviera despierto adorando a Allah toda la noche

(Sahih al Bujari)


Disse o profeta de Allah:
Aquele que ajuda as viúvas e os órfãos
É como se, todo dia, pela causa de Allah, travasse uma guerra santa
Ou é como, se, todo dia, praticasse o jejum
E assim, desperto, estivesse por toda noite, em adoração! 




http://lenguarabe.blogspot.com/search?updated-max=2008-11-24T03:41:00-08:00&max-results=20




quarta-feira, 3 de novembro de 2010

GRANDE E SILENTE MISTÉRIO





Vontade imensa de chorar
Vontade de gritar “pára o mundo que eu quero descer”
Mas, quando olho para os lados
Pra frente ou para trás
Percebo que não posso
E murmúrios de anjos mandam-me continuar
Ainda resta uma longa estrada
Não sei se deserta até o fim... por enquanto sim
No momento
Não há nenhum passante
Nenhum discreto, sereno viajante
Que possa me acompanhar
À estalagem mais próxima
De qualquer forma
A viagem é perigosa
Há lobos e bandidos ao longo do caminho
A morte sempre à espreita
Poucos abrigos
Poucos amigos
Poucas esperanças
Confesso
Tenho medo
São muitos os receios
Acalmo o coração
E acomodo-me ao tronco da palmeira
Que cresce no Oasis distante, meu refúgio
Que, para o meu alivio
Conheço bem o destino
Lá, o sol é tolerante
A água refrescante
O vento faz seu discurso delirante
E a lua me reanima
Com seus segredos
Penetra-me com sua luz
E embala-me na rede do crescente
Durmo tranqüila entre as nuvens
Povoadas de sonhos
A realidade então não me parece mais tão brutal, tão cruel,
tão importante, tão caprichosa...
E apreendo, por curtas horas que equivalem à eternidade
A natureza íntima, a essência única e divina do grande e silente mistério




segunda-feira, 1 de novembro de 2010

REVERSO

Não me incomodavam teus arroubos de impaciência
Nem teus modos impossíveis ao falar
Fechava-me em copas
Agarrando-me aos poucos sonhos que
ainda guardava dentro de mim
Tempestade que logo amainava
Na absoluta quietude da paz de um entardecer
Agora, displicente, a vida passa, com a certeza
De que não irei mais encontrar-te em meio a tantos rostos estranhos
Roda desesperança... sobe e desce
De anseios/devaneios 
Taças de tristezas misturadas a gotas de alegrias
Nunca secam o meu pranto
Universos paralelos... onde estás?
À distância, tudo parece tão romântico, tão diferente
Foste um dia, como um príncipe encantado de um conto de fadas
À lutar pela mulher bem amada
Sofrendo, porem,  na seqüência
Pela dura lida de um viver apreensivo
Partiste, enfim, em uma longa jornada
Pra não mais voltar
Levando quase tudo contigo   
E na história inacabada
Sobrou apenas o encanto de duas jóias raras
Duas princesas abandonadas
A mercê de ogros, lobos e vampiros