sábado, 23 de outubro de 2010

MANAÓS



Manaus de muitas cores 
Manaus de mil amores
Icamiaba
Valente
Amazona
Guerreira 
Onça pintada
Moleque Saci
Mapinguari
Jurupari
Curupira 
Makuna-imã
Trapalhão atrapalhado pajé 
Muiraquitã talismã
Des-corado boto cor de rosa paixão
Tucuxi
Coração
Garantido
Caprichoso
Toada
Vermelha
Azulada
Cidade
Céu verde
Esmeralda
Adormecida
Contida
Esperança
Dança
Dança
No bojo da Caninana
Cobra malvada
Indiscreta Senhora das Águas
Mãe da cidade sagrada
Guardada pela Yara
Nas profundezas do rio
Escondem-se mistérios
Espelho secreto
Onde
Serena surge
A lua Jaci
Menina/moça/mulher
Cabocla morena
Vistosa
Cunhãporanga
Nua  
Cheirosa
Brejeira
Perdida na feira
Casas de palafitas
Amantes do velho Cais do Porto
Seguro
Rodway flutuante
Pr’além do rio
Uirapuru verde oliva
Se disfarça
Em meio à fumaça,
Em meio à tinta
Em meio à resina
Em meio ao quase
Esquecido passado
Uma Manaus moderna
Quase psicodélica
Teima em se sobressair
E pra sempre existir
Mas, no coletivo in-consciente
Persistem os temas
Renovam-se os poemas  
Recontam-se as lendas
Histórias inventadas
Desconhecidas
Descabidas  
Nunca contadas
Nunca sabidas
Ecoam
No silencio
Cantigas
Perdidas
Luzes cintilantes de fogo-fátuo
Olhos mágicos e medonhos de M’boy tatá
Um pedaço do teatro trazido da Europa
Papagaios
Verdes
Azuis
Araras
Vermelhas
Amarelas
Se projetam na tela
Salve, salve ela...
Mon amour, tres joli
A Paris das Selvas
Ainda é aqui!

Postar um comentário