segunda-feira, 25 de outubro de 2010




Há um peso a segurar a porta
É para o vento não empurrá-la com força
E não acordar a quem está adormecido!
Quieto, até o gato parece adivinhar meus pensamentos
Então, fecha os olhinhos e encolhe as patinhas
Comodamente deitado na almofada da cadeira de balanço
Uma saudade antiga se me insinua no coração
Tristeza infinda, indefinida
Nas minhas letras, nas minhas frases
Estende-se um sol dourado
Mas, nuvens escuras logo se formam
E grossas gotas de água caem do alto dos olhos
Avexa-se minh’alma
Com tantos tormentos
A aparente calma
É desânimo constante
Abrem-se as cortinas
Mais um dia!
Postar um comentário