terça-feira, 6 de abril de 2010

LULLABY


As flores cobriram de cor a campa cinzenta
A tarde é morna e sem esperança
Comum como uma tarde qualquer
Pausa no pensamento
Pausa no res-sentir-se da ausência
O vento traz-me tua lembrança
Sussurra teu nome por entre as folhas das árvores
Nunca cansa...
É a sua canção de ninar a embalar vivos e mortos
Ainda sinto o abandono
Mas é um consolo vir te visitar
Nesta casa de um só cômodo 
Que, por enquanto, meu amor, é somente tua!
Postar um comentário