domingo, 29 de novembro de 2009

O FAVORITO DO REI

Dois marroquinos sentados no campo
(Eugene Delacroix)


Agora que o sol se pôs, não quero namorar a lua. Vesti-me de azul e afrontei o mar. A arrogância rogou-me piedade, mas eu a calquei sob os pés, como São Jorge ao dragão. Um trapo de gente, que pensa ser o que não é; ser inacabado, desavisado, retirante do mundo. Há um não-lugar comum, invisível aos olhos, mas, não tão distante do coração, aonde o falcão favorito do rei costuma fazer seu ninho. De lá, ele sai, ao alvorecer, mal ouve o chamado do soberano, a pousar no seu pulso. O vento dança alegre, ao redor dos gentis companheiros e o medo se esvai, nas asas puras do amor e da liberdade. Sombras vêm e vão sobre esta terra, enquanto uma rosa procura o calor do sol em plena manhã de outono. Por que sempre me entristeço? Mesmo na felicidade sinto esse aperto no peito. Seria bom que uma chuva torrencial, vinda não sei de onde, molhasse o meu rosto, levando as lágrimas, desfazendo as sombras que me assombram, e, assim, me curasse o espírito, ou, então, seria bom que uma nuvem passageira me arrebatasse para outro espaço, outra dimensão. Dói falar e se expor demais. Às vezes a vontade é de calar e tudo abandonar; pois, às vezes, as palavras soam-me completamente inúteis, absurdamente vãs. Há muito escolhi o caminho do silêncio, mas ainda falo demais e por isso peço que me perdoem, uma vez que não desejo o sono de ninguém perturbar com meus discursos desordenados ou minhas estranhas e longas histórias; chegará o tempo em que deixarei de contá-las... Mas, por ora, não nos enganemos e despertemos o quanto antes das suaves, vis e belas mentiras, que, cotidianamente, pomos a nos contar; entendamos nós de uma vez, que, um dia, tudo o que agora nos enche o olhar, desaparecerá como um límpido/terrível/doce sonho. Mas, quando isso acontecer, certamente será primavera e tornaremos a despertar nos braços do amigo/esposo/amante, lá, no não-lugar comum, invisível aos olhos, mas não tão distante do coração e, perplexo, diante deste sol brilhante, perceberemos, finalmente, que éramos nós, tu e eu, os favoritos do rei.

Postar um comentário