terça-feira, 18 de agosto de 2009



(Inspirado em Jalaludin Rumi)


Tropecei nos mistérios de ser gente
Sacudi o mar e as montanhas em busca de respostas
Havia no azulado do céu, a desconformidade dos dias não aproveitados,
dias estranhos, vãos, onde a juventude se esvai no calor de uma manhã,
num sopro, num suspiro de vento...
Consultei então os astros, luzeiros guias da existência,
que também nada me disseram e quietos, solitários, impávidos continuaram
pendurados no amplo espaço
Só a lua, paciente, fitou-me sorridente e, ternamente, pediu-me:
Silêncio!
Postar um comentário