terça-feira, 25 de agosto de 2009

RECORDAÇÕES DA CASA DA COBRA-QUINTA ESTAÇÃO


QUINTA ESTAÇÃO


Anibal Beça




Não há recomeço possível.
Senão um olhar para trás.

A flor que murcha cai
não torna para o galho.

Por cima dos ombros
o outono perde a primavera
e as folhas secas
são tapetes grados
para amaciar pegadas.

Um murmúrio bate à nossa porta
e o vento inexorável
escarifica cicatrizes
no exato arrepio.

No pressentido encontro
- bandido convicto -
assalto o canteiro
dessa noite insone
e agasalho a alba
na gruta do sésamo.

terça-feira, 18 de agosto de 2009



(Inspirado em Jalaludin Rumi)


Tropecei nos mistérios de ser gente
Sacudi o mar e as montanhas em busca de respostas
Havia no azulado do céu, a desconformidade dos dias não aproveitados,
dias estranhos, vãos, onde a juventude se esvai no calor de uma manhã,
num sopro, num suspiro de vento...
Consultei então os astros, luzeiros guias da existência,
que também nada me disseram e quietos, solitários, impávidos continuaram
pendurados no amplo espaço
Só a lua, paciente, fitou-me sorridente e, ternamente, pediu-me:
Silêncio!

domingo, 16 de agosto de 2009

CHUVA, CHUVARADA...



Veio. Caiu. Passou.
chuvarada de pensar...
e agora, nova chuva começa...
e vai eu aqui, livre
voando sobre os céus
de minha terra natal
onde bicho fala
e homem rumina
e tempo não dá tempo
no furinho do espaço que sobra
brota semente gente
sol espia amarelado
e nuvem passa, apertado
e tão apertado passa que chora
chão da mente grávido
de novas ideias
e o homem rumina
enquanto bicho fala
e tempo esquece
eta noite fria...
despida de lua
sem pisca-pisca de estrela
pretume de solidão
onde só o vento conversa
monólogo de doido va-rri-do

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

O REI DO TEMPO


Do livro O OFÍCIO DO CONTADOR DE HISTÓRIAS (Gislayne Avelar Matos/Inno Sorsy)

Elas contaram e eu torno a contar...

Era uma vez um viajante que caminhava pelo grande deserto de neve. Tudo era imenso, triste, solitário.
O viajante parou para descansar um pouco à beira do caminho e pensava, exausto: "Devo chegar antes do anoitecer à primeira aldeia deste deserto gelado."
Como se sentia fatigado, fechou os olhos por alguns minutos, mas logo foi despertado por uma voz estranha, um pouco distante, porém, infinitamente penetrante, que lhe disse: "Você está muito cansado. Venha comigo e repouse um instante. Todo viajante descansa em meu palácio."
A voz era de velho muito velho, talvez até mais que centenário ou talvez até mais que milenar... Na verdade, ele não tinha cor nem idade, talvez fosse mais cinza que o céu de inverno ou talvez fosse mais branco que a neve.
O viajante olhou-o atentamente e viu que o velho tinha na testa um magnífico diadema real e, que, apesar da idade, possuía a força e a leveza da juventude.
"Entre em minha casa" continuou o velho "Meu palácio é mais rico e belo que o mais precioso de todos os palácios do mundo. Veja!"
O viajante, impressionado, viu aparecer dele um palácio que parecia de cristal. Através de seus muros transparentes e brilhantes, podiam-se perceber tesouros inesquecíveis, flores de beleza indescritível, pedras preciosas que reluziam em todas as paredes. O palácio cintilava! E o viajante, ainda pasmo, perguntou: "Que riquezas são estas? Poder-se-ia compra o mundo todo com o que possuís, ó Rei!
O velho simplesmente sorriu e respondeu: "É fato, viajante. Aqui há tesouros de tal valor, que poderiam comprar o mundo. Estas flores e estas pedras preciosas que você vê são as únicas verdadeiras riquezas do mundo: são as ideias do mundo. Quando uma ideia já viveu seu tempo, eu a recolho em meu reino. Aqui, ela dorme o sono do gelo, para recuperar o brilho e a beleza que perdeu entre as pessoas. E ela dorme até o momento em que seu destino esteja pronto para novamente se cumprir, até o momento em que uma alma humana deite seu olhar sobre ela com um pouco de amor. Então com o calor da respiração dessa alma, o gelo se derrete e a ideia volta a viver, jovem e cheia de força. E todos no mundo gritam em torno dela: 'Eis uma nova ideia!' Mas estão enganados: a ideia não é nova, ela já existia, entretanto, como seus ancestrais a rejeitaram com desprezo, ela adormeceu no palácio de gelo. Contudo, ai do homem que desperta um ideia forte, será infeliz, uma vez que possuído por ela, jamais será o seu senhor."
"Onde está vosso palácio, Rei? Em que país habita Vossa Majestade? Onde fica o vosso reino?"
Mas o rei tornou a sorrir e nada respondeu.
Tudo ficou cinza diante do viajante, e seus olhos começaram a se esfumar. Ele tornou a perguntar: "Quem sóis vós, ó Rei?"
E de longe, escutou a compreensível resposta: "Eu sou o tempo".
.

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

MENOS


Debrucei-me sobre o nada
Vazia de ideias
Dispensei os amores e as dores
E mergulhei em rancores
Que me dilaceraram por dentro e por fora
Contudo, o que senti foi menos intenso
Que em outros tempos
Sentimentos tão banais e irrisórios, que tive vergonha
Mas não chorei nem me arrependi
Deixei a raiva curtir ao sol
Até dela apenas restar a decepção
E a decepção é como uma canoa que deve estar bem atracada
Senão, levada pela correnteza, vai rio abaixo
Pra lugar nenhum

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

RECORDAÇÕES DA CASA DA COBRA-MITO DE ORIGEM DOS INDIOS TICUNA

MITO DE ORIGEM DOS INDIOS TICUNA



Assim meu avô ouviu de seu avô que ouviu de seu avô
e assim vou contar:
Escuro, frio e silêncio. O começo de tudo.
Yo’ i e Ypi. cadê a luz?
Acima da árvore gigante.
Samaumeira, wotchine, esconde o mundo
Yo’i e Ypi querem ver o mundo.
Pegaram um caroço de araratucupi e tcha... um buraquinho na negra escuridão
E aí? Yo’i e Ypi? Cadê a luz?
Pra lá da escuridão, pra lá da copa da samaumeira, pelo buraco, dá pra ver
O quê? Yo’i e Ypi
Uma preguiça real que prende o céu com galhos da samaumeira.
Yo’i e Ypi pegaram mais caroços de araratucupi e tcha, tcha, tcha.. olha lá um montão de estrelas, mas nada de luz...
Yo’i e Ypi cadê a luz?
Hum, hum, hum.... os dois irmãos pensando.
Yo’i e Ypi vão derrubar a samaumeira.
Chama, chama, chama todos os bichos pra ajudar
Vem lá macaco e cutia, boto, cobra, veado, tamanduá, jabuti, tracajá...
Não dá, não dá... samaumeira não cai; nem pica-pau consegue por wotchine abaixo.
E agora Yo’i e Ypi?
Hum, hum, hum.... os dois irmãos pensando.
Uma festa, uma festa de casamento
Aicüna, a irmã, será dada a quem fizer preguiça real soltar os galhos que prendem o céu
Nos olhos da preguiça real tem que jogar formigas-de-fogo. Quem vai?
Chegou Taine, um quatipuru bem pequeno, foi, mas no meio do caminho voltou.
Taine, o quatipuruzinho, tentou de novo. Desta vez, chegou. Jogou as formigas nos olhos da preguiça e a preguiça soltou os galhos que prendiam o céu e lá se foi a samaumeira...
Taine casou com Aicüna e do tronco da árvore caída brotou o rio Solimões e dos galhos espalhados, mais rios e muitos igarapés.
***


INDIOS TICUNA: do tronco lingüístico ticuna, segundo o Censo de 1984, se encontra espalhada pelos seguintes municípios do estado do Amazonas: Benjamim Constant, Tabatinga, São Paulo de Olivença, Amaturá, e Santo Antônio do Içá, contando-se hoje a nação, em torno de 23.000 pessoas. Para eles uma árvore não é apenas uma árvore é muito mais é um símbolo da vida, acreditam que numa árvore está contida toda a memória do mundo.
Yo’i, Ypi e Aicüna são os irmãos primordiais, aqueles que através de suas ações, sendo a maior delas a derrubada da samaumeira, darão inicio ao mundo da forma que hoje o
conhecemos.

O LIVRO DAS ÁRVORES, TICUNA

terça-feira, 4 de agosto de 2009

SOPA DE PATO







Versão de uma das mil e uma histórias de Nasrudin


Por Virgínia Allan



Um dia lá bateu a porta da casa do Zé um compadre chegado do interior e para agradá-lo, o compadre lhe trouxe um pato e Zé, muito agradecido, mandou a mulher fazer um pato cozido.
O compadre não demorou em sua visita e logo se foi arrepiando caminho de volta.

No dia seguinte, Zé acordou com novas batidas na porta. Era um amigo do compadre do Zé que tinha lhe trazido o pato.

Zé mandou que entrasse e lhe ofereceu o que comer.

Na manhã seguinte, novas batidas na porta... e novamente na manhã seguinte e outra vez na manhã da manhã seguinte.

A casa do Zé virou restaurante, ponto certo de quem vinha de fora da cidade, sempre um amigo do amigo do compadre do Zé que tinha lhe trazido o pato de presente.

A mulher estava para largar o coitado, pois já não agüentava mais viver na cozinha, quando novas batidas soaram na porta da casa do Zé e o estranho com a cara mais lambida do mundo se apresentou como o amigo do amigo do amigo do seu compadre que tinha lhe trazido o pato.

O Zé se apoquentou, mas mesmo assim mandou entrar o dito cujo. Sentaram-se à mesa e Zé pediu à mulher que lhes trouxesse a sopa.

O visitante já lambia os lábios e esfregava as mãos, pensando na delicia que logo saborearia, porém, mal deu a primeira colherada fez cara de desgosto: “Ó meu amigo, que tipo de sopa é esta? Isso não passa de água quente”.

“Ora, tá reclamando do quê?” disse o Zé tranquilamente. “Essa, meu amigo, é a sopa da sopa da sopa do pato que o meu compadre e parente me trouxe de presente”.