domingo, 21 de junho de 2009

O CAVALEIRO NEGRO PARTE FINAL

Leite de Leoa parte final

O Cavaleiro Negro; que trazia a cabeça o manto de sua majestade em forma de turbante; no dedo, o anel de rubi e nas costas, a espada real, desmontou e aproximou-se da cama.
“Eis aqui o leite de leoa da ´Terra do Não Ser´”.
“Porém, cavaleiro, chegaste tarde demais”. Disseram todos a uma só voz.
“Meus genros, aqui presentes” disse o rei, “já trouxeram o leite, mas, que na verdade, não me fez bem algum”.
Disse Ibn Haidar: “O leite que trouxeram não vos fez bem porque me foi roubado, uma vez que fui eu que o consegui e, portanto, por causa disso, todas as virtudes especiais que possuía se evaporaram já que não se pode obter benefícios de algo conseguido mediante o roubo. Aqui, ó rei, está o terceiro frasco. Toma um pouco”.
Assim que o rei acabou de sorver o leite, ergueu-se do leito, completamente curado.
“De onde vens cavaleiro...? Quem és...? E por quê tens me ajudado?”.
Disse então, o misterioso guerreiro: “As três perguntas, são, na realidade, apenas uma; desse modo, a resposta dada a qualquer uma delas, responderá as outras”.
O rei não compreendeu, pareceu mesmo estar bastante confuso.
“Muito bem”, continuou Ibn Haidar, “Eu sou o homem que vive no estábulo, o que significa que sou teu genro e é por isso que te ajudo”.
E foi dessa maneira que o misterioso “Cavaleiro Negro do Céu” deu-se enfim a conhecer, e com o passar do tempo, veio a herdar a coroa real, quando o rei foi levado, na plenitude do tempo; para a sua mais longa viagem.
Postar um comentário