quinta-feira, 4 de junho de 2009

LUTO COTIDIANO
















Nascer, viver, morrer fazem parte do cotidiano
Do mesmo modo, as alegrias, os pesares e os enganos
Nunca saberemos quando será a nossa vez 

Lembremos, que, todo dia, a todo momento, estamos por um fio...
Mas, nem por isso esqueçamos que, viver é bom
e fazer o impossível a meta a qual nos disponibilizamos
Compromisso com nós mesmos na não desistência da existência,
por mais angustiosa, sufocante, entristecida que nos pareça

Enfrentemos, com força e coragem
o que nos suceda, exercitando o desapego, amenizando o sofrimento, ouvindo o silêncio
Estando no mundo sem ser exatamente dele
Buscando, no mistério da vida que nos cerca, o equilíbrio, a paz,
a fonte do sossego...

Assim, quando a morte, em qualquer lugar, por fim nos alcance,
seja antes, bem-vinda senhora ou doce criança, estejamos prontos...
Não partamos daqui chorando, pois, é nosso destino humano
sempre partir...


    
Postar um comentário