sexta-feira, 20 de março de 2009

BORGES E EU

(Foto: Borges por Aguilar Juan Ignacio)



Vou manter a minha paz em algum lugar distante de você. Assim deve ser. Vou procurar no sossego do jardim, o bucólico cheiro de jasmim... Engano-me, bem sei, mas, por alguns instantes, jaz em mim a saudade antiga e dominante, que me abarca e me leva pra longe, vagando por outros céus, além dos cumes de inalcançáveis montes. Sentar-me-ei à sombra convidativa de um salgueiro e lerei nos compridos versos de Borges sobre a solidão ampliada nos espelhos e desse jeito tranqüilo aquietarei o tigre em minha mente... Penso em um tigre ao modo de Borges, tal como penso nas adagas, nas Bibliotecas, no Aleph e num velho poeta cego que um dia andou pelo campo de Castela... Perdida, na vastidão de seu mundo multiplicado, o dia correrá mansamente por dentro de mim...
Postar um comentário