quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

CHUCK, CHUK...


E lá estava o rapaz, na mesma esquina, encostado à parede, a fazer ignotas rimas. Cantava ele uma canção antiga, e de sua guitarra arrancava as notas azuis e melancólicas de um blues...

CHUCK, CHUCK...

Chuck queria ser famoso
Chuck queria ganhar o mundo

Pegou a guitarra no quarto
E pela fresta estreita da porta
Deu uma espiada lá fora...

Nossa, que desassossego
Nossa, que confusão, mas, aí, meu irmão
Chuck aproveitou a ocasião
Tirou um riff de sua guitarra
E o mundo endoidou desde então

Chuck tocou e cantou um blues invocado
E deu asas ao diabo
Num instante, Chuck, voou
Virou o pai do rock ‘n’ roll

E tocando a guitarra adoidado
Chuck comprou um carro
Comprou uma mansão
E com os trocados que sobraram
Comprou um avião

Chuck ficou famoso
Era dono do mundo

Tinha muitas garotas
Uma diferente pra cada dia
Virava a noite perdia o dia
E fazia o que queria

Mas fama garotas e grana
Não consolaram sua solidão
E as noites silenciosas
Doíam-lhe no coração

Chuck era famoso
Era dono do mundo

Mas agora que tinha tudo
Só a guitarra lhe bastava
O mundo lá fora o esperava
Chuck, porém, nem ligava

Chuck sorriu
Chuck chorou
Chuck bebeu
Chuck fumou
Chuck bateu
Chuck apanhou

Chuck pensou que fosse fácil
Mas perdeu a hora
Pensou que fosse tarde
Ainda dava tempo de ir embora?

Chuck pegou a guitarra no quarto
E largou sua mansão
Chuck vendeu o carro
E tomou o avião
Voou de volta para casa
Despido de ilusão

Chuck era famoso
Era dono do mundo

Mas tudo o que queria agora
Era chegar em casa
E espiar a vida lá fora
Pela fresta estreita da porta
Postar um comentário