sábado, 27 de dezembro de 2008

SERÁ MESMO QUE TUDO ACABA EM SAMBA? PARTE FINAL





A questão toda, depois desse discurso, é, por que escuto blues em vez de samba? Eu, brasileiro, amazônida, perdido nos confins da floresta, por que prefiro o "bom e velho blues" ao nosso "bom e velho samba"? (Tem quem ache estranho, afinal, sou brasileiro e não americano... lá fora acham que brasileiro não sabe fazer nem tocar blues; aqui, nós achamos que o gringo não sabe sambar... ) Tolices à parte, eu respondo que ouço blues mais do que samba porque gosto do formato em que vem revestido... acho poético, vibrante, harmônico e me dá uma enorme sensação de paz... quando ouço "um bom e velho blues" é como escutar as vozes dos anjos ou do próprio Deus... exagero? Acho que não... cantar ou ouvir blues é como fazer uma oração... não era à toa que também era cantado nas igrejas, em forma de spirituals songs, e também posso dizer que ouço blues mais do que samba porque, há muito tempo, o blues e outros ritmos foram incorporados à nossa cultura... ouvir samba ou blues, preferir um gênero mais do que o outro, é apenas questão de gosto. Os elementos que deram origem ao blues lá, também estavam contidos cá. O lamento dos negros cativos no Brasil, misturou-se ao cântico dos europeus que aqui aportaram em busca de novas conquistas. Os portuguêses, impregnados pelo trovadorismo, trouxeram suas cantigas de amor e de amigo; de escárnio e maldizer... holandeses, franceses, alemães, árabes, judeus, italianos... valsas, modinhas, quadrilhas, polcas, óperas (francesas e italianas) tudo serviu de ingrediente para novos rumos (ou experimentos que deram certo) na música... O mesmo se deu nos Estados Unidos... o contacto com outras gentes, a fusão com outros ritmos foi dando ao blues a forma com que hoje se apresenta... mas, muito mesmo antes disso, dos campos de algodão, ao fim da escravidão, procurando meios de sobreviver, iam eles pra lá e pra cá, artistas intinerantes, em espetáculos mambembes, cantando músicas folclóricas, dançando, interpretando, já fazendo uso de instrumentos mais sofisticados... assim surgiram os primeiros blueseiros e as primeiras "blues singers". Esse tipo de espetáculo tem raízes na Idade Média, que , por sua vez, agregou certos hábitos dos povos que vieram do Oriente. No Brasil, o batuque foi o maior legado dos negros vindos de Angola e Congo, lugares de onde foram trazidos o maior contingente de escravos para nossas lavouras e, embora, ainda mantenha certa identidade, acabou por se misturar a outras danças de carácter popular ou não. Acompanhadas por bumbos e palmas, quijançes e marimbas, as canções do batuque tinham como sua maior característica, a improvisação... o dançarino, geralmente ao calor da fogueira, perto de onde também se postavam os músicos, cantava, enquanto os que assistiam a roda, respondiam em coro. Dificil é falar dessa dança, já que houve diversos modos de apresentá-la... Bom, a verdade é que o batuque acabou em samba ou semba (saudação com a qual os dançarinos passavam a vez de dançar) como era na real chamado pelos negros, dividido em inúmeras vertentes, como o samba de roda, que da Bahia foi para o Rio de Janeiro passando adiante os seus ritmos e o seu nome a canção popular em voga na época. Individualidade mesmo do samba, segundo os que entendem, só existe no partido alto e no samba de umbigada certamente ainda praticado nas escolas de samba. O blues teve o mesmo destino ao misturar-se, agregando para si outros ritimos, impossível fugir disso, acontecendo então nos anos 20, a fusão do blues com o jazz... Alan Lomax (musicólogo e folclorista americano, nascido em 01 de Janeiro de 1915 e morto 19 de Julho de 2000) usava a palavra gumbo (espécie de sopa crioula bem temperada cujos ingredientes além dos americanos, eram os africanos, ibéricos e latinos) para designar uma mistura de ritmos de onde surgiu o jazz, que outrora fora precedido pelo ragtime. A fusão com o jazz e a diáspora dos negros acontecida após a depressão, em 1929, proporcionou novas roupagens ao blues, mas, a sua essência permaneceu inalterável.

Postar um comentário