domingo, 28 de dezembro de 2008

AUSÊNCIA



Suprimo, meu amado,
as longas horas em que te espero
ardendo no fogo invisível do mais puro amor
E como a mariposa ao redor da lâmpada
ensaio minha última dança
E pelas esferas encantadas, escondidas,
vai meu espírito, livre, soberano
ao encontro da rosa mística...
Pois saibas amante adorado,
sobre esta terra,
somos nós como um sopro ou a chama vacilante de uma vela
sonho vago,
que, lentamente, se apaga
na mente daquele que desperta.

Postar um comentário