terça-feira, 4 de novembro de 2008

SUCUBU




Ela surgiu-me assim, envolta em brumas, mas, aos poucos foi tomando forma. Primeiro em minha mente, depois em meu coração. Cada parte de meu ser, físico e espiritual, foi dominado por esta arrebatadora visão. Adoeci. A escuridão avançou rapidamente sobre mim.
As noites mal dormidas eram repletas de sonhos confusos e de pesadelos medonhos, porém, neles, sempre estava a bela mulher, cujo corpo, sensual e lascivo, deixava-me ardendo de um desejo até então, por mim, desconhecido.
No começo, os ignorei... os sonhos... ignorei-os, com toda a força possível... Ignorei tudo que me remetesse à lembrança daquela mulher, ao mesmo tempo terrível e inesquecível. Pensei que, desta forma, simplesmente ignorando, mais cedo ou mais tarde, me livraria desses sentimentos libidinosos, despertados por algo intangível e inconcebível. Pensei que logo, logo, eles iriam desaparecer, deixando-me livre outra vez para agir e pensar de maneira sensata. Entretanto, tal não sucedeu e à medida que o tempo passava, pior ficava minha situação.
Ela se insinuava; me roubando o sossego e a concentração, me jogando num poço profundo de pura solidão. Para ela, já não bastava o silêncio da noite, quando, gemendo de prazer, cavalgava-me, faminta, minando minhas forças, fazendo-me desfalecer a cada gozo; o corpo arrepiando de tanto deleite e tão faminta estava que passou então a invadir-me os dias, sussurrando meu nome, chamando-me à perdição; surgindo a minha frente nua; etérea, oferecendo-me a boca e os seios, pequenos; arredondados, cujos mamilos arrebitados, deixavam-me tonto. Eu sabia o quê ela era, mas, estava muito além de mim, desvencilhar-me de sua presença inebriante, malignamente sedutora. Sentia sua língua, penetrar-me os ouvidos, lamber-me o rosto, descendo, suavemente pelo pescoço, sentindo, pelo corpo inteiro, o seu perfume e sua respiração.
Com pressa e sem jeito, afastava-me de todos e nos recantos mais obscuros a procurava, tremendo de paixão. Meu sangue fervia, meu coração batia loucamente e eu explodia num gozo insatisfeito, pois sempre queria mais e mais... Ela estava me levando à loucura, mas, não só ela, assim como também minha fraqueza, avidez e passividade, numa entrega total. Doei-me em sacrifício em troca de um prazer sem limites... prazer este, que no final, não me satisfazia completamente. Minha vida virou um caos.... a culpa me consumia, mas, não era mais senhor de mim... ela possuía o controle e queria tudo, queria não, exigia tudo... tudo o que fosse possível ser pesado numa balança. A balança de Maat condenou-me, já que meu coração havia se levantado “como testemunha contra mim”... Ela, ela, eu... destruíram-me... e ansiei desesperadamente pelo meu próprio fim
.

Postar um comentário