segunda-feira, 3 de novembro de 2008

RECORDAÇÕES DA CASA DA COBRA-PARTIDA



PARTIDA

Ainda não é chegada a hora de partir
por favor, amor, não vá
que farei eu sem ti
sem teu calor para me ajudar a caminhar

Nas incontáveis horas de dias
idos e vindos, desde o raiar da real
fatal existência
foi a ti que tanto esperei
e por isso estranha agora me soa a tua ausência

Às vezes pego-me absorta
mergulhada em tristeza sombria, infinda
sob a pálida luz do fim do dia

Afugento o sonho vadio
que rodeia minha alma inconstante
Desconsolada esposa amante
musa viúva de um poeta louco delirante

E no mais profundo silêncio
repenso os meus pensamentos
Descarto o meu ansioso hesitar
retiro a tristeza do olhar...
Descuido da beleza vazia
e prossigo, com paciência, a feitura do dia


Postar um comentário