domingo, 7 de setembro de 2008

FANTASMA DE MIM


Sombrio céu dentro de mim
Onde chove todo o tempo
Pequeninas flores desabrocham
mas logo morrem afogadas em mágoas
dor lancinante do viver descontente

Refugio-me no sonho
Trago para dentro da teia de maya
Imaginária, o retorno à nossa casa
E o meu vagar pelos quartos
Silenciosos, à tua procura, sem descanso

Postar um comentário