domingo, 31 de agosto de 2008

MULHER À JANELA

Mulher à janela -Salvador Dali


Mulher à janela
Olha ela
Vive sem graça
A olhar a gente que passa
Ela espera
O amor que tem
e que a contêm
Horas de puro desassossego
contadas nas pontas dos dedos
rosário improvisado no oratório ao pé da janela
desajeitado como ela
Agonia espelhada em cada canto
da casa solitária despida do brilho
falso enganador mas radiante de dona esperança

Postar um comentário