sexta-feira, 1 de agosto de 2008

CANTIGA DE AMIGO


I




Meu coração está só e de aflição ele chora; não ouço os vossos passos, senhora, e não mais escuto a vossa voz. O sol esfriou e a aurora perdeu a sua cor. A solitária andorinha voou, partiu para além do mar; triste, o pássaro cativo também anseia voar, pois noutra terra está a donzela de negras tranças e suave sorriso. Ela, mais bela que a distante lua, despiu-se do seu manto de grandeza e humildemente, para o chão volveu seus olhos de estrelas: ‘Ouve’, disse ela, ‘o amado já vem’.



II



Senhora fascina-me o vosso olhar, mas fujo deles como alguém que, em pleno mar, teme ser arrastado pela fúria de uma tempestade. Por isso, detenho-me na ilusória segurança da praia; porém, quando revelados forem os sentimentos de vosso coração, cuidado...! Nada mais restará; nem mesmo eu; senhora, pois, com certeza, serei levado, tragado pela corrente impetuosa, impiedosa de vosso amor”.

III



Tão bela era a lua que cego fiquei, fascinado de amor. Perdido no Vale da Busca era um estranho em uma terra estranha. Vagando pra lá e pra cá, lamentei a minha sorte e fui repreendido pelo sol: “Almejas a lua e não suportas a humilhação? A lua vos escolheu, e devolves com indignidade tamanha devoção. Ó néscio, não sabes que quando os segredos te forem revelados o teu destino será também se transformar em lua?”.
Postar um comentário