sexta-feira, 15 de agosto de 2008

CAIXA CHINESA



Uma poesia dentro de uma poesia
É como uma caixa dentro de uma outra caixa
É como a beleza no espelho refletida
Espelho de vidro espelho de água

Atirei uma pedra, o vidro partiu-se a água, em círculos, tremeu

Pedaços de vidro gotículas de água...
Beleza dividida em mil pedaços repartida
A caixa que contêm outra caixa abriu-se
Da caixa prisioneira salta um palhaço triste




Postar um comentário