sábado, 5 de julho de 2008

O PIRILAMPO



Revoluteava um gentil pirilampo num jardim florido, em bela noite de lua... e tão feliz estava que a luz que de si emanava, dissipava as sombras noturnas.
Porém, alguém que em tal jardim também se encontrava e além das flores observava o nobre pirilampo, não mais se contendo, perguntou-lhe: “Oh, luminoso pirilampo que bailas alegremente neste jardim florido, a competir com a própria lua o clarear da noite escura, por que não achas por bem, surgir à luz do dia também? És tão belo e gracioso que certamente serias notado e devidamente apreciado”.
Então, disse o pirilampo em resposta a quem o indagava: “Meu caro, à luz do dia eu simplesmente desapareceria... A beleza tão admirada em noite escura sob o esplendor do sol nem seria notada. Não ouso desafiá-lo... Tolo, não sou. Além de belo, sou sábio!”

***[1] Inspirado em um conto de Saadi de Shiraz; História de uma luciérrnaga, do livro EL BUSTAN; Ediciones DERVISH INTERNACIONAL
Postar um comentário