domingo, 29 de junho de 2008

A ROSA, O CRAVO E O SOL



Uma rosa foi abruptamente arrancada de meu jardim.
Era uma linda rosa de cintilante cor vermelha e suave perfume; uma rosa muito especial.
No canteiro em que desabrochou, havia muitas outras flores, nenhuma, tão linda quanto ela, que, muito tímida, evitava qualquer aproximação. Temia o sol; amava a lua e era amiga apenas do vento e da chuva.
Entretanto o amor armou seu laço, e a linda rosa viu-se apaixonada por um orgulhoso cravo que só queria saber do sol.
Pobre rosa vermelha! A paixão lhe consumiu o coração e ela viu-se perdida, e mergulhada no desespero. Por causa disso, nem reparou no sol, que não amava o cravo, e sim, a rosa, tal qual à velha canção sobre José que gostava de Maria, que amava João...
O anoitecer enchia a rosa de esperanças, pois a lua, sua amiga, sempre a deixava mais bonita, mas o cravo, o orgulhoso cravo, não lhe deitava nem um olhar, nem um olharzinho sequer e, ao amanhecer, quando o sol buscava ansiosamente por um carinho da rosa, esta se recusava a vê-lo, acusando-o injustamente de ser o responsável pela fatal indiferença que lhe votava o desejado objeto de seu amor.
O cravo, ao perceber o interesse do sol pela rosa, do alto de sua arrogância, não suportou a rejeição e, por vingança, numa noite sem lua, seduziu e abandonou a bela flor.
A rosa, humilhada, ferida em seu amor-próprio por tão rude golpe, quis esconder-se de todos e, em seu infortúnio, não reparou que se inclinara demais para fora da cerca que protegia o canteiro. Alguém que por ali passava achou que ela seria a flor ideal para enfeitar um raro e antigo vaso de cristal e, assim pensando, caminhou em sua direção e bruscamente a separou do galho, pouco se importando com seus queixumes.
Apenas o sol afligiu-se com a sua dor e não deixou por um segundo a ingrata que cruelmente o ignorara. Perfeito no amor; paciente na dor, este maravilhoso amante, todas as manhãs, entrava mansamente pela janela e nas pétalas delicadas depositava um longo beijo sussurrando ao coração frágil e palpitante da amada seus ambicionados e inacessíveis segredos. E assim foi durante dias em que o sol preparou a flor para a sua remissão.
Devidamente preparada, quando o fatal momento chegou, a rosa, pendeu para o lado e suavemente, expirou.
As pétalas desfeitas, mas ainda perfumadas, foram parar dentro de um livro, enquanto o talo apodrecido teve por jazigo um simples saco de lixo. Porém, a alma imortal que a flor, tão duramente conquistara, ascendeu ao céu, amparada pelos tépidos e luminosos raios do sol.
O cravo orgulhoso teve um triste fim.
O inverno chegou carregado de chuva, e uma erva daninha cresceu ao pé da cerca em que ele costumava se apoiar. Em pouco tempo, ela adquiriu força e uma tremenda agilidade e, em um melancólico entardecer, subiu a cerca e enrolou-se ao pescoço do cravo, que, distraído e omisso como era, não teve a menor chance de pedir socorro.
Postar um comentário