domingo, 15 de junho de 2008

FRAGILIDADE



Meu coração teima em ficar feliz só de ouvir a tua voz.
As aflições que me perseguem desfazem-se ao som de tua voz
O vento, a chuva, o sol, perdem a força, a importância e a cor ao som de tua voz.
Tua poesia misturada a minha melancolia elevam o meu ser até a uma fonte real de poder.
Sou menina, sou mulher ao som de tua voz.
Se não te ouço; se não te vejo, cai em mim o anoitecer. E muda não me satisfaço, pois somente em ti tenho prazer.
Arranca o gemido de minha boca e o segredo de meu coração. Minha alma implora por tua alma. Meu corpo implora por teu corpo, não apenas pelo gozo ansiado, mas pelo toque há tanto esperado onde alguém, único, desfaria para sempre as cortinas de ilusão.
Ainda cruzo um deserto e talvez sejas tão somente uma miragem ou então seja apenas o pálido reflexo dos meus desejos mais recônditos que me é devolvido pelo negro espelho da noite, ou o frio desse deserto que nunca me abandona, resolveu me assombrar e mandou-te, demônio, em forma de homem, sedutor e distante.
Sim... creio agora, que sejas mesmo tão somente um demônio ou uma miragem para que eu, na ânsia em fugir de ti ou de alcançar-te, vá cada vez mais para longe... de mim.
Postar um comentário