domingo, 25 de maio de 2008

SOB A LUZ DO CREPUSCÚLO


A menina, regando as plantas,
inunda de alegria o crepúsculo que cai.
Seu sorriso, doce antídoto,
para um coração envenenado
por uma taça de tristeza.


***

Dia cinzento.
Cadeiras vazias.
Silêncio no jardim.

***

A rosa que desabrocha
enche de amor e encanto
um coração de criança.

***

A passarada,
na janela faz a festa!
Ao menor ruído,
voa em debandada.


***

Para o silencioso espelho d’água,
a onça sedenta, sorri.


***

Passarinhos na goiabeira.
Entardecer no quintal.
Minha alma sorri.


***

Eu estava quase adormecida
quando escutei o canto da cigarra.
Postar um comentário