quarta-feira, 14 de maio de 2008

UMA VELHA SENHORA


Hoje, por uns breves momentos, me esqueci de ti!
Encontrei pela manhã uma velha senhora, antiga vizinha de meus tempos de infância. Perguntou como eu estava, iniciando, deste modo, uma conversação que me provocou alívio, ternura e compaixão.
Ela é uma mulher forte e sábia, tornou-se assim por causa das dificuldades que teve de enfrentar ao longo da vida, para muitas pessoas a vida é realmente difícil, mas, segue em frente, contente de si e do mundo. Possuí uma grande família, porém, sabe que é só, sabe ser só.
Falamos da brevidade da vida, de como ela se apaga num abrir e fechar de olhos.
Foi uma linda manhã, e por uns breves momentos, me esqueci de ti, esqueci de mim!
Alguém que conheço está à morte. Ela sofre nesta linda manhã, ela sofre na beleza da tarde, ela sofre ao cair da noite; está tão magra e não tem mais forças para lidar com a doença que lhe consome, entretanto, ainda se apega a um resto de vida, que aos poucos se esvai, tal qual um relógio de areia que verte seus últimos grãos.
Estava começando a ficar deprimida, quando hoje, logo pela manhã, esta velha senhora me devolveu a irmandade das coisas.
Falamos da vida, da morte, falamos de seu filho morto, de meu pai morto, e de como eles continuam vivos na lembrança; sabemos que estão bem, sabemos com o coração, e por uns breves momentos, me esqueci de ti, esqueci de mim!
Olhei para o céu e pensei que talvez não fosse tão triste morrer num dia lindo tão lindo assim.

Postar um comentário