sexta-feira, 25 de abril de 2008

HAI-KAI À MODA BRASILEIRA


Pia a coruja
Canta o caboclo
Mergulha o boto


***
Dentro do quarto
brilha a luz da manhã
nos cabelos da menina


***
A criança
no colo da mãe
tenta alcançar a lua


***
Vento na mangueira
Bombardeio no telhado
Coração assustado


***
Mãos pequeninas
rabiscam no papel
pedaços de sonhos.


***
Manga madura
fruto saboroso
seio voluptuoso


***
Depois da chuva
reluz ao sol
o caju vermelho


***
Pôr de sol
Solidão na mata
Lamento de pássaro


***
Pôr de sol
Solidão na mata
Canta a cigarra


***
Ao sol
o pássaro estende as asas
leque de penas douradas


***
Nasce o sol
Festa na mata
Revoada de pássaros


***
Noite fria
estende-se sobre a terra
o cobertor azul


***
Sapo encantado
põe a cara feia pelo buraco
janela de seu palácio


***
Silêncio profundo
A tarde em prece
o coração me aquece


***
A papoula vermelha
que ontem era broto
hoje abriu-se em flor


***
Mãos pequeninas
rabiscam no papel
pedaços de sonhos


***
Balões amarelos
riscados de azul
Poemas ao entardecer

***
Velha árvore
Ah doce é o perfume
das flores no chão


***
Mangueiras em flor
Um besouro vadio
passeia entre as folhas


***
Passarinhos na goiabeira
Entardecer no quintal
Minha alma sorri


***
Sol de verão
No alto das árvores
o namoro das araras


***
Dia cinzento
Cadeiras vazias
Silêncio no jardim


***
Canção de vento
valsa das flores


***
O galo no alto do muro
lança aos quatro cantos do mundo
sua canção vespertina


***
Borboletas coloridas
Frágeis enfeites da manhã


***
A gata branca
no colo do dono
descansa as mágoas


***
Verão!
Canta a cigarra
no tronco da seringueira


***
Balões amarelos
riscados de azul
poemas ao entardecer


***
Mariposa
ao redor da lâmpada
ensaia sua última dança


***
Noite escura
No telhado
o soluço da chuva


***
No retorno das flores
aberto estará o portão
do meu jardim


***
Ao sabor do vento
balançam as palhas
da pupunheira


***
No verão
partiremos rumo ao sol
Minha sombra e eu


***
Após a chuva
pendem das folhas
brincos de brilhantes


***
Lua de prata
vento nos cabelos
A menina deitada
sonha acordada.


***
No telhado da igreja
arrulham os pombos


***
Da janela
olhos cansados contemplam
a lua de outono


***
Pelas quatro estações
sem mistérios
conduzirei a minha alma


***
Vento nas folhas
Prenúncio de partida
O inverno chegou


***
Melancólico Abril
molhado de chuva

Postar um comentário